Programa do Mussarella – Ciclofaixas

2 Comentários

  1. Olá. Eu assisti ao seu vídeo e gostaria de compartilhar meu ponto-de-vista sobre ele.

    Entendo, em parte, sua insatisfação com as ciclovias. Não acho que o projeto esteja muito bem realizado, ainda. Em alguns lugares, essas faixas foram pintadas sobre calçadas: o que é um erro bastante tosco: continua-se priorizando os carros e reduzindo o espaço do pedestre. Acaba jogando oprimidos contra oprimidos. Nos locais em que as ciclovias tomam espaço dos automóveis particulares, assim como as faixas de ônibus, eu acho que a coisa está mais bem resolvida. Entendo o que você cita sobre a vontade de ter um carro, que isso foi incentivado durante bastante tempo no país. Agora, acho que precisamos mudar essa mentalidade. Não acho que “bicicleta não combina com São Paulo”. Acho que carros é que não combinam com quase lugar nenhum. É uma falsa saída individual, que separa os(as) cidadãos(ãs) que deveriam estar juntos(as) na luta por um transporte público melhor e uma cidade que respeitasse pedestres. Afinal, somos todos(as) pedestres, antes de podermos comprar qualquer veículo motorizado.
    Isso é uma luta comum a todos(as). Quando você diz que lutou muito para ter seu carro, não duvido, mesmo, mas e quanto às pessoas que também lutaram e lutam MUITO e simplesmente não podem ter um carro? Fortalecer a cultura de que automóveis são imprescindíveis é oprimir as pessoas que não têm carros (ou não querem, pois também há – sou uma dessas pessoas – e isso também é um direito). Enfim, mais do que o assunto das ciclovias, eu queria passar por isso para falar da qualidade artística (acho que pode-se dizer assim) do vídeo. Acredito que, para tentar fazer um humor mais racional, mais “inteligente”, é preciso superar as formas mais rasas de pensamento. Por exemplo, a de aderir às opiniões das grandes mídias brasileiras, reproduzindo quase que literalmente seus argumentos e opiniões. Lembre-se que esse tipo de mídia, como a Globo, é um rival das mídias independentes (como blogs tentam ser) e está interessada APENAS NO PRÓPRIO LUCRO, e não em difundir discussões e pensamentos que nos tornem mais críticos(as) e/ou saudáveis e/ou felizes e/ou livres! Pelo contrário, em prol do lucro, elas (essas mídias) se esforçam para nos PRIVAR de liberdade, felicidade (real), pensamento crítico, saúde (real), etc..

    E sobre A FORMA do vídeo eu também gostaria de comentar algo:
    Você tem uma tentativa de humor (tentativa, eu digo, porque não se realiza, fica só na ideia de ser engraçado) bastante “textocêntrica”. O que pode ser bom! Acho que poderia apostar mais nisso, no humor intelectual. O texto não é mau escrito e você está apropriado dele, sabe o que está dizendo. Acho que, para fazer o que você quer fazer com responsabilidade mesmo você precisa resolver as questões que falei acima, de um pensamento muito condicionado pela grande mídia. Agora, o palhaço… Não vejo razão nenhuma para você estar vestido de palhaço de circo, ou de festa infantil.
    SE (!) o objetivo é deixar claro que o discurso reacionário (vinculado à grande mídia, à Direita e tal) é coisa de palhaço ruim de festa infantil, acho interessante, mas também precisa ser mais trabalhado, ainda não está claro.
    Como está, pelo menos nesse vídeo, parece que você estava indo a uma festa à fantasia e, antes de sair, parou para gravar um vídeo para seu blog, se esquecendo de estar todo fantasiado e maquiado.

    Enrique, 3 years ago Responder

  2. Estamos sempre abertos para opiniões. A sua também é benvinda. Forte abraço!
    Mussarella

    Mussarella, 3 years ago Responder


Post Your Comment

Sobre

A operetta é um gênero de espetáculo que envolve dança, música, teatro, comédia e muita diversão. Assim são as novelas, minisséries e programas.

Redes socias